Comunidade do Pantanal recebe visita do Conselho Nacional de Direitos Humanos

A Comunidade de Porto Limão, localizada nas margens do Rio Jauru, no Pantanal de Cáceres-MT, recebeu no dia 01.10.2018 a visita de Membros do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH). A missão foi articulada pela Rede de Comunidades Tradicionais Pantaneira, e teve o objetivo de conhecer a realidade da Comunidade atingida pela construção de 05 Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs).

reunião Comunidade do Rio Limão.png

Os moradores de Porto Limão sofrem há pelo menos 15 anos com diversos impactos ambientais e casos de violações de direitos, como a drástica redução na quantidade de peixes, que passou de uma média de 100 kg por semana para 4kg, após a instalação das PCHs. Outro aspecto que aumenta a vulnerabilidade é a falta de autonomia alimentar, posto que as áreas antes destinadas ao cultivo de roças, agora estão sujeitas a alagamentos periódicos. Também chama atenção a ausência de sistemas de alerta, segundo relatos do grupo, diversas vezes foram surpreendidos com a água do Rio entrando em suas casas, alagamento causado pela abertura das comportas das PCHs.

Os impactos negativos que afetam a cultura e a economia da comunidade têm perdurado, sem solução, sem mitigação e sem indenização por mais de uma década. Cenário que escancara o descaso do Estado de Mato Grosso e da União, e a tentativa de decretá-los povos inexistentes.

Rio Limão.jpg

Mesmo diante de tantas violações a Comunidade resiste, e por hora se apega a esperança que a visita do CNDH trouxe.  Essa missão faz parte das atividades do Grupo de Trabalho (GT) Direitos dos Povos e Comunidades Tradicionais, que ao longo de 2018 vem realizando visitas a todos os estados da federação com o intuito de verificar em loco as agressões e violações de DH, e produzir um relatório sobre a situação desses grupos vulnerabilizados pelo sistema desenvolvimentista, que é pautado na lógica do lucro e na violação das leis ambientais e tratados de DH; outro aspecto importante da missão é a produção de recomendações aos poderes executivo, legislativo e judiciário.

Também estiveram presentes na reunião representantes do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CEDDPH) do Estado de Mato Grosso, Defensoria Pública de MT, organizações e entidades da sociedade civil como Fórum de Direitos Humanos e da Terra de MT, Instituto Gaia, Instituto Caracol e Centro de Direitos Humanos Dom Máximo Bienes.

Déborah Moreira é membro da ONG Instituto Caracol.

Conteúdo relacionado

Organizações lançam estudos sobre as atuais ameaças ao bioma Pantanal
Usina Teles Pires: Justiça ordena parar e governo federal libera operação, com base em suspensão de segurança
Dossiê Abrasco: o grito contra o silêncio opressivo do agronegócio.
Encíclica papal aborda desigualdades na agricultura
Rio de Mato Grosso ganha data comemorativa
Covid-19: Porto Esperidião tem mais de 60% de óbitos de indígenas chiquitanos
Três problemas graves no Projeto de Lei aprovado pela Assembléia Legislativa de MT!
ALERTA SOBRE PL 17/2020 EM MT
Formad faz doação de alimentos durante a Covid-19
MAIS UMA CHACINA ANUNCIADA EM MATO GROSSO
Ações do estado de MT contra territórios tradicionais são derrubadas no STF. Quilombolas e indígenas manifestam-se em Brasília e em Cuiabá.
O Brasil é quilombola! Nenhum quilombo a menos!
Nossa história não começa em 1988! Marco Temporal não!
Indígenas da Bacia do Teles Pires se mobilizam, em Brasília, por seus direitos frente a empreendimentos hidrelétricos
Formad recomenda modelos de regularização ambiental adaptados à realidade da agricultura familiar e de povos e comunidades tradicionais.
Regularização ambiental da agricultura familiar e de povos e comunidades tradicionais no centro do debate
China e Rússia proíbem produção de transgênicos em seus territóriosNota de repúdio e denúncia ao assassinato de lideranças do campo em MT
Pantanal por inteiro, não pela metade
ICMS Ecológico: O potencial de um imposto